Entrevista com o Administrador Regional de Taguatinga: Marlon Costa

O Administrador Regional de Taguatinga, Marlon Costa, assumiu a gestão da cidade no dia 14 de julho deste ano.

Marlon, que é formado em publicidade, já era subsecretário da Subsecretaria de Mobiliário Urbano e Participação Social, da Secretaria de Estado das Cidades. As conquistas do jovem administrador que nasceu e foi criado em Taguatinga, só vem aumentando. Nos primeiros 60 dias de gestão, por meio de parceiras, a equipe da administração conseguiu revitalizar todas as paradas de ônibus da Avenida Hélio Prates. A partir da agilidade e inovação desse projeto, a população de Taguatinga criou uma grande expectativa em torno da gestão do publicitário. Portanto, a pergunta que fica é o que vem por aí. Para responder esse e outros questionamentos, nossa equipe foi conversar com o administrador. Confira a entrevista:

Revista Influência – Desde que você chegou à Administração Regional de Taguatinga, qual a forma de trabalho que você adotou?

Buscamos trabalhar com parcerias entre os órgãos do Distrito Federal, a comunidade e os empresários locais. Acreditamos que dessa forma vamos aproximar ainda mais a comunidade de quem governa a cidade. Além disso, os moradores têm total abertura dentro da Administração para sugerir ações, fazer reivindicações e contribuir até mesmo com materiais, para que alguns trabalhos possam ser executados.

Um trabalho feito dessa forma foi a revitalização das paradas de ônibus na Avenida Hélio Prates. A equipe da Administração realizou manutenção e reforma em todas as paradas da via e, em seguida, artistas voluntários da cidade, com materiais doados por moradores e comerciantes, desenharam seus grafites preenchendo todo o espaço e inibindo propagandas irregulares.

Além de limpar a cidade, isso deu uma nova cara, bem alegre, para toda a Avenida. A intenção é expandir esse projeto para outras áreas de Taguatinga. Em outubro, também iremos lançar uma novidade, o #DescubraTagua. São vídeos semanais que mostram os lugares de Taguatinga e contam um pouco da história e curiosidades de cada um deles.

Revista Influência – Quais foram as principais ações que você já conseguiu realizar?

Quando assumi Taguatinga, em julho, estabeleci como uma das prioridades da minha gestão, devolver aos moradores os espaços públicos. Nesse curto período, já revitalizamos algumas quadras, praças e ruas. Praça do DI, do Coreto, da Vila Mathias e Vila Dimas são alguns exemplos de locais que não recebiam ações de conservação há muito tempo e eram usados como ponto para consumo de drogas e outros crimes. Agora, com os espaços revitalizados, esperamos que os moradores voltem a usar esses espaços.

Revista Influência – Taguatinga é uma das maiores cidades de Brasília. De que forma a Administração pretende atingir todos os setores da cidade?

Para alcançar todas as áreas da cidade, neste momento, estamos mapeando e realizando um levantamento fotográfico de todas as praças de Taguatinga que precisam de reparo. Após finalizar essa parte, faremos um plano de ação para que possamos, em conjunto com outros órgãos do governo, empresários da cidade e comunidade, revitalizar esses espaços por meio de parcerias.

Revista Influência – Por que a Administração resolveu buscar parcerias com a iniciativa privada?

O país passa por uma grande crise econômica e política que tem afetado todos os Estados da Federação. Não seria diferente com a capital do país. Por isso, diante de todas as dificuldades encontradas, resolvemos convidar os moradores, empresários e os outros órgãos do DF para, juntos, encontrarmos uma solução.

Atualmente, a população entrega às demandas e solicitações na administração, que analisa e separa entre os setores internos ou encaminha para o órgão responsável. A partir disso, temos oferecido todo o suporte em relação aos projetos e oferecemos também a mão de obra para execução das obras. Com o projeto feito, a população e os empresários nos ajudam com a doação de materiais necessários. A motivação do nosso trabalho tem sido esse envolvimento.

Um exemplo disso é a construção da quadra poliesportiva que estamos iniciando na QNL 14. Essa realização será possível por meio de doação de empresários. A obra, que custaria aos cofres públicos em torno de R$ 100 mil e levaria, em média, três meses para ser licitada, está sendo executada a custo zero do governo e com previsão de conclusão de 45 dias. Temos certeza que a Administração não trabalha sozinha, mas com o apoio daqueles que vivem por Taguatinga e se dispõem a ajudar a cidade a crescer como um todo.

Revista Influência – O programa articulado pela Secretaria das Cidades, o Cidades Limpas, também seria um exemplo de parceria?

Exatamente. Taguatinga acabou de receber a segunda etapa do Cidades Limpas. No período de 28 de agosto a 15 de setembro, a cidade contou com o trabalho de 359 pessoas em uma força-tarefa para realizar quase 200 ações de poda de árvores, retirada de carcaças, tapa-buracos, instalação de quebra-molas, capina e roçagem, remoção de entulhos, recuperação de iluminação pública, manejo ambiental para o combate ao mosquito Aedes aegypti e recuperação de espaços públicos. Essa união dos órgãos é fundamental para melhorar a qualidade de vida dos moradores.

 

Revista Influência – Além da revitalização dos espaços públicos, o que também é prioridade?

Propor e realizar ações que ajudem a melhorar a mobilidade urbana. Sabemos que Taguatinga, além de ser uma das maiores cidades satélites, também é centro de passagem para muitos moradores de outras regiões administrativas e entorno. O centro da cidade recebe, diariamente, um milhão de pessoas que estão de passagem para outro lugar e, claro, isso influencia muito no nosso trânsito. Para melhorar essa situação, já apresentamos projetos que estão sendo executados e outros que estão em análise pelo DER.

Acredito que o alargamento de algumas vias vai ajudar, e muito, na fluidez do trânsito. O alargamento do viaduto da EPTG, na chegada ao centro de Taguatinga, já está sendo executado. Agora, estamos em fase final do projeto de alargamento do viaduto da Avenida Samdu, de quem chega ao centro da cidade via Elmo Serejo e do alargamento do viaduto do metrô no Pistão Sul, que é uma demanda muito antiga.

Revista Influência – Sabemos que, muitas vezes, o número de funcionários de uma Administração não é suficiente. Como você tem lidado com isso?

Exatamente. Não temos um número suficiente de funcionários no quadro da administração. Por isso, na formação da minha equipe, priorizei os setores que mais necessitavam de colaboradores com qualidade técnica para prestar um serviço de qualidade à população.

Um exemplo disso foi a nomeação de um topógrafo para desafogar o setor de aprovação de projetos. Quando chegamos à Administração, havia mais de 200 solicitações de vistorias represadas por falta da vistoria de um topógrafo. Em praticamente três meses de trabalho, a equipe quase zerou essa pendência.

Também criei um novo setor na Administração de Taguatinga para cuidar, exclusivamente, da iluminação da cidade. Com essa novidade, já conseguimos atender muitas demandas dos moradores, totalizando entre manutenção e novos pontos de iluminações, mais de 250 pontos, como na frente do IFB e em todas as praças que revitalizamos.

 

Revista Influência – Os moradores têm participação/voz ativa na Administração?

Com certeza. Meu gabinete e toda a Administração de Taguatinga estão de portas abertas para receber os moradores. Diariamente, recebo pessoas que trazem demandas e solicitações. Além da nossa Ouvidoria, criamos um novo canal de comunicação para que os moradores tenham mais facilidade para entrar em contato conosco que é o WhatsApp da Administração – 99911-7052. Através dele, o morador pode pedir operação de tapa-buraco, informar um poste de luz que está apagado, entre outros serviços.

Também estou sempre nas ruas, acompanhado dos moradores, para ver de perto todos os problemas. Acredito que o contato com a população é a forma mais eficaz de governar, porque a opinião e a vontade do povo é o que realmente importa.

 

Revista Influência – Você também é subsecretário das Cidades, quais projetos você destacaria?

Dentre os principais, destacaria os decretos de regulamentação das feiras de toda a cidade e dos quiosques. No decreto de feiras, que ajudei a construir, iremos dar segurança jurídica a todos os trabalhadores que atuam neste setor há anos. Sem contar que com a licitação dos boxes que estão fechados nas feiras, vamos conseguir abrir novas oportunidades e oferecer aos que estão fora do mercado de trabalho. Um dos principais objetivos da secretaria é, realmente, promover inclusão social entre as pessoas.

Em relação aos quiosques, daremos a mesma segurança para que os permissionários possam investir no seu negócio, aumentando as vendas e agregando valor ao estabelecimento.

Revista Influência – Para finalizar, você é morador da QNL, correto? Você tem projetos especiais para o setor?

Sim. Eu moro na QNL desde que nasci e o fato de ter crescido nesse setor e conhecer os problemas de perto, influencia na forma de enxergar o meu trabalho à frente da Administração. Sei das necessidades de muitas quadras, principalmente, quando se trata da Nova QNL, um setor que requer uma atenção especial, já que vem sendo esquecido e, ao longo do tempo, recebeu pouquíssimas ações de melhorias. Pretendo atuar nessas praças que estão muito sucateadas, além de construir novas calçadas para melhorar a acessibilidade.